Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Brothers in Arms

08.06.17

Tenho o (in)feliz hábito de me deitar tarde. Por uma série, um livro, um filme, jantares ou simplesmente o prazer de uma boa conversa, nunca quero saber (nem me lembro) que tenho que acordar todos os dias às 6h45 para levar os miúdos à escola. Ontem, por uma imperdível noite quente, foi um passeio na Feira do Livro e um jantar tardio com a melhor companhia do mundo no Bairro do Avillez, que me levou a deitar (bem) tarde.

O pior disto é que são alguns os dias em que o meu caçula Mateus resolve não dormir bem ou acordar cedo - e hoje foi um desses dias. Por volta das 6h da manhã, o pequeno estafermo - que, de repente, parece apaixonado pelo pai – resolve chamar e obrigar-me a ir para a cama dele, de onde saio ao fim de 10 minutos, para voltar à base. Ele não se fica e vem para a minha cama chatear a dizer que queria brincar com carrinhos. Entre o dormitar e o “quero o carrinho” tocou o despertador. Brothers in Arms, versão ao vivo do On the Night dos Dire Straits (1993) tem estado a acordar-me nos últimos dias e assim que começaram os primeiros acordes, os olhos dele muito abertos saltaram para cima dos meus. E ele para cima de mim. Em silêncio, embrulhado ao meu colo, ouviu a música até ao fim. Perguntei se tinha gostado, ouvi primeiro um “shim” e depois um “outra vez”. E ouvi, ouvimos outra vez, a olhar um para o outro. Dia ganho para mim e a esperança maior de que a boa música atravessará gerações sem limites temporais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Douro

29.05.17

Douro.png 

Quando chegámos à Quinta de La Rosa, na 6ª feira já hora de jantar - mas ainda com luz mais do que suficiente para nos deixar basbaques com a paisagem num churrasco junto à piscina - demos por nós a pensar como é que ainda não tínhamos “aterrado”, a tão poucas horas de Lisboa, num dos mais paradisíacos locais terrenos.

Com visitas a vinhas e caves, provas de vinhos e a inauguração do restaurante Cozinha da Clara (em homenagem à avó da proprietária) - e mergulhos no rio para os mais atrevidos - este fim-de-semana perdemo-nos de paixão pelo Douro, como já nos tinham avisado que iria acontecer.

Toda a quinta tem uma vista soberba e dos quartos com a janela aberta vê-se o paraíso. O que nos acolheu era o “Cândida” e fez-me lembrar, pelo nome obviamente, Cândido, a personagem principal da sátira escrita por Voltaire em 3 dias. O mesmo número de dias em que estivemos no Douro e em que, ao contrário do jovem que se desilude ao experienciar as arduidades do mundo, acabámos a iludir-nos com a (im)possibilidade imediata de por lá passar grande temporadas.

Voltaire concluiu a sua obra com um “devemos cultivar o nosso jardim”. Nós despedimo-nos do Douro com um maravilhoso almoço no DOC e com a enorme certeza de que por lá estaremos mais vezes a tentar recuperar o tempo perdido e a cultivar o nosso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

17

22.05.17

17 aniv.JPG

Quando me casei, confesso que não sabia minimamente ao que ia. Sabia que estava apaixonado, que queria muito estar com a mulher da minha vida para sempre, mas, na verdade, estava longe de imaginar o que se podia passar desse dia em diante.

Hoje, 17 anos e 4 filhos depois, construímos muito mais e fomos para além do que imaginava como limite da felicidade. Hoje, continuo sem saber o que se vai passar de amanhã em diante, mas apenas porque ninguém sabe. Porque a vontade é mais que muita para que daqui a muitos anos, tenhamos a certeza que valeu (muito) a pena. Como até hoje. Ou mais.

Parabéns a nós!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Férias

22.04.17

Picture3.png

O regresso é, seguramente, o pior das férias. Voltar depois de uns dias extraordinários 100% dedicados à família não é fácil.

Mesmo que estar de férias não implique - de todo - estarmos alheados das notícias do mundo ou da parte profissional, chegar ao ponto de partida implica uma espécie de confronto mais próximo dos sarampos, atentados ou derbys, para o qual não nos sentimos preparados.

Mesmo sabendo que a vida diária por cá é boa (muito boa) e que seria com toda a certeza muito pior se não tivéssemos a possibilidade de ir e “fugir” das rotinas, o triste e forçoso “descolar” outra vez uns dos outros e o voltar a habituar o corpo (e a mente) a uma adrenalina permanente são inevitabilidades de que - definitivamente - não gostamos.

Este regresso é também uma espécie de barómetro que espelha bem o quão bons foram estes dias na Bahia. Para recordar. E repetir, tantas vezes quantas o tempo e as poupanças nos permitam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_3052.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

Soube há uns dias que o “The Joshua Tree” foi lançado há 30 anos. Estupefação à parte, não acreditei e pesquisei. E era mesmo verdade. E encontrei este excelente artigo no Observador. E ouvi outra vez, várias vezes, um dos álbuns da minha vida. E (re)oficializei o Running to Stand Still como a musica que mais gosto. E penso em como o seu o título se adapta e “dissolve” bem nos dias de hoje: a vida numa correria desenfreada com a sensação de que não saímos dos níveis de stress loucos em que nos metemos. A saborosa vida a desenrolar-se entre trabalho, família e amigos, sem que no entanto consigamos ter uma janela para refletir sobre o futuro, muitas vezes nem mesmo o que se afigura a curto-prazo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sevilha.JPG

Quando há dois anos meti na cabeça que havia de fazer uma maratona (coincidindo os 42km com o meu 42º aniversário), estava longe de imaginar a importância que esta superação iria ter na minha vida. Fiz, então, a maratona de Lisboa.

Este fim-de-semana participei na minha terceira maratona, em Sevilha. De todas, claramente, foi aquela em que estava menos preparado fisicamente. Fiz alguns treinos, mas muitos menos do que era suposto - e por isso me foi extraordinariamente difícil acabá-la… em mais de 5 horas.

Os últimos 10 km foram verdadeiramente penosos (1h35m) e chegar ao fim parecia ser quase uma impossibilidade técnica. Valeu-me o companheirismo e boa disposição (para não dizer palhaçada) de quem correu (para não dizer arrastou) ao meu lado e que me “carregou” até à meta, onde cheguei completamente rebentado.

Na realidade, o mais importante foi o fim-de-semana passado com um grande grupo, a viagem a passar pelo Algarve, o almoço na Noélia, as tapas e a cerveja em Sevilha. A amizade, o apoio, a superação. Tudo boas desculpas para me tornarem um maratonista internacional :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Martim

23.01.17

Martim.jpg

Este fim-de-semana o meu 2º filho fez 12 anos. De todos, é aquele a quem me apetece – praticamente todos os dias – “torcer o pipo”. Está sempre em festa e tira-me do sério com relativa facilidade. Para ele raramente há assuntos importantes, mesmo no auge de, por exemplo, crises escolares. Distingue-se dos irmãos pelo sentido de humor impagável, que me “desmancha” tantas vezes quantas aquelas em que, diariamente, tento ser um pai minimamente responsável. Deve ser por isso que é tão difícil corrigir-lhe alguns disparates. É um miúdo bom. Infinitamente bom. Sensível e preocupado com os outros, sobretudo com os que lhe são próximos, adora a família que tem e não se cansa de dizer que somos 6. E um cão. Creio que, apesar das “lutas” diárias na tentativa de impor mais responsabilidade, estamos a fazer um bom trabalho no caos lá de casa. E tu também, querido Martim. Parabéns!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

calendário

Julho 2017

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031