Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Douro

29.05.17

Douro.png 

Quando chegámos à Quinta de La Rosa, na 6ª feira já hora de jantar - mas ainda com luz mais do que suficiente para nos deixar basbaques com a paisagem num churrasco junto à piscina - demos por nós a pensar como é que ainda não tínhamos “aterrado”, a tão poucas horas de Lisboa, num dos mais paradisíacos locais terrenos.

Com visitas a vinhas e caves, provas de vinhos e a inauguração do restaurante Cozinha da Clara (em homenagem à avó da proprietária) - e mergulhos no rio para os mais atrevidos - este fim-de-semana perdemo-nos de paixão pelo Douro, como já nos tinham avisado que iria acontecer.

Toda a quinta tem uma vista soberba e dos quartos com a janela aberta vê-se o paraíso. O que nos acolheu era o “Cândida” e fez-me lembrar, pelo nome obviamente, Cândido, a personagem principal da sátira escrita por Voltaire em 3 dias. O mesmo número de dias em que estivemos no Douro e em que, ao contrário do jovem que se desilude ao experienciar as arduidades do mundo, acabámos a iludir-nos com a (im)possibilidade imediata de por lá passar grande temporadas.

Voltaire concluiu a sua obra com um “devemos cultivar o nosso jardim”. Nós despedimo-nos do Douro com um maravilhoso almoço no DOC e com a enorme certeza de que por lá estaremos mais vezes a tentar recuperar o tempo perdido e a cultivar o nosso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Que merecem MESMO ser vistas. Booking.

(já tem uns meses, mas a ideia é extraordinária: "We challenged our 14.000 employees to document their year of travel in 2016. This is their story")

Autoria e outros dados (tags, etc)

Férias

22.04.17

Picture3.png

O regresso é, seguramente, o pior das férias. Voltar depois de uns dias extraordinários 100% dedicados à família não é fácil.

Mesmo que estar de férias não implique - de todo - estarmos alheados das notícias do mundo ou da parte profissional, chegar ao ponto de partida implica uma espécie de confronto mais próximo dos sarampos, atentados ou derbys, para o qual não nos sentimos preparados.

Mesmo sabendo que a vida diária por cá é boa (muito boa) e que seria com toda a certeza muito pior se não tivéssemos a possibilidade de ir e “fugir” das rotinas, o triste e forçoso “descolar” outra vez uns dos outros e o voltar a habituar o corpo (e a mente) a uma adrenalina permanente são inevitabilidades de que - definitivamente - não gostamos.

Este regresso é também uma espécie de barómetro que espelha bem o quão bons foram estes dias na Bahia. Para recordar. E repetir, tantas vezes quantas o tempo e as poupanças nos permitam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não conheço a Argentina, mas há já muito tempo que está claramente no meu top of mind como um dos destinos mais desejados para um big break. O Ministério de Turismo local promoveu recentemente duas campanhas que me estão a “dar a volta ao miolo” e a querer tornar esta viagem uma absoluta prioridade…

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sevilha.JPG

Quando há dois anos meti na cabeça que havia de fazer uma maratona (coincidindo os 42km com o meu 42º aniversário), estava longe de imaginar a importância que esta superação iria ter na minha vida. Fiz, então, a maratona de Lisboa.

Este fim-de-semana participei na minha terceira maratona, em Sevilha. De todas, claramente, foi aquela em que estava menos preparado fisicamente. Fiz alguns treinos, mas muitos menos do que era suposto - e por isso me foi extraordinariamente difícil acabá-la… em mais de 5 horas.

Os últimos 10 km foram verdadeiramente penosos (1h35m) e chegar ao fim parecia ser quase uma impossibilidade técnica. Valeu-me o companheirismo e boa disposição (para não dizer palhaçada) de quem correu (para não dizer arrastou) ao meu lado e que me “carregou” até à meta, onde cheguei completamente rebentado.

Na realidade, o mais importante foi o fim-de-semana passado com um grande grupo, a viagem a passar pelo Algarve, o almoço na Noélia, as tapas e a cerveja em Sevilha. A amizade, o apoio, a superação. Tudo boas desculpas para me tornarem um maratonista internacional :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

É este o tema de uma campanha de prevenção de cancro de pele, promovida pelo governo da Dinamarca - um dos países com maior índice de melanoma do mundo.

São cinco anúncios distintos, feitos para serem passados nos destinos mais populares de férias dos escandinavos - Espanha, Itália, França, Grécia e Tailândia.

De forma resumida, cada filme está desenvolvido no idioma do respetivo destino e apela aos locais para olharem pelos Dinamarqueses, ajudando-os a tomar as precauções adequadas contra as queimaduras solares.

Excelente ideia. Em baixo o filme para Espanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

El Bar inclinado

22.09.16

Andes.jpg

Adoro cerveja. Será, porventura, a minha bebida preferida.

Aproveitando a inclinação natural das montanhas, a marca de cerveja argentina Andes construiu o primeiro bar com uma inclinação de 45 graus - o ângulo perfeito para tirar uma cerveja perfeita.

O que me parece é que “El Bar 45 de Andes” merece uma viagem…

Autoria e outros dados (tags, etc)

bike.jpg

A partir da próxima primavera, Lisboa terá cerca de 1.400 bicicletas em sistema de partilha, espalhadas por 140 docas / estações, à semelhança do que já acontece há tantos anos em algumas cidades portuguesas e europeias.

A Câmara Municipal de Lisboa, em conjunto com a EMEL, será responsável por planear a rede. O fornecimento de bicicletas e respetiva implementação e gestão será feito pela Órbita, ficando a EMEL também com a gestão de clientes, promoção do serviço e exploração de receitas - tarifas de utilização e espaço publicitário.

O bilhete diário terá um custo de 10 euros e o passe anual de 36 euros, sendo esta uma boa forma de promover a mobilidade sustentável para os lisboetas – que poderão fazer a gestão do serviço através de uma aplicação móvel.

Peca por tardia esta boa notícia, claramente (e finalmente) catapultada pelo aumento consistente do tráfego de turistas na cidade. Para ajudar a combater a inclinação tão característica da capital, cerca de 900 destas bicicletas serão elétricas – e ainda bem, que 7 colinas a pedalar não é para todos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

calendário

Julho 2017

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031