Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Rui Maria Pêgo

17.06.16

rui maria pego.jpg

Ninguém, com o mínimo de bom senso, ficou indiferente ao massacre numa discoteca em Orlando, no passado fim-de-semana. Uns, mais do que outros, foram exibindo a natural indignação. Uns, mais do que outros, fizeram questão de mostrar a revolta que lhes ia na alma, perante mais uma atrocidade, num país que insiste em vender armas como se fossem cogumelos.

O Rui Maria Pêgo expôs o que sentiu, e muito bem, aqui. E assumiu, no desabafo, “gostar de meninos”.

Independentemente do foco da mensagem estar na inacreditável chacina, logo surgiram comentários estúpidos (não me ocorre outro adjetivo) sobre o que menos importava. E a natureza humana, às vezes, é tão surpreendentemente má, que começaram a surgir também comentários ofensivos, que acusavam o radialista de pedofilia, por “gostar de meninos” – o que o “obrigou” a alterar o post para um “gostar de homens”.

Pergunto-me muitas vezes o que têm algumas pessoas na cabeça, pergunto-me em que momento e qual a razão pela qual se transformaram numa espécie de corja, género abutre, que aponta o dedo a tudo e a todos e que destila ódio só porque sim. Pergunto-me o que leva as pessoas a serem cruéis e que atos desumanos cometeriam por cá, se também lhes déssemos a facilidade de terem armas na mão. Pergunto-me porque não se limitam a tentar viver bem com as felicidades várias que podem, na maior parte dos casos, encontrar à frente do nariz, em vez de “esquartejarem” on-line quem apenas teve um ato público normal, mas ainda assim, de admirável coragem.

Enfim, na essência, vamos vivendo com o sonho cada vez mais longínquo do dia em que os crimes de ódio (todos os crimes de ódio) acabem de vez e com a ténue esperança de que, também um dia, a tolerância e o respeito façam parte da nossa base civilizacional, de forma clara. Até porque, de facto e citando o Rui, “um dia vamos todos parar ao mesmo forno”.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

calendário

Junho 2016

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930