Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



JJ.jpg

Ninguém tem dúvidas que o estimado treinador do meu clube é, regra geral, muitíssimo competente.

Ninguém tem dúvidas que o Sporting melhorou significativamente a performance desportiva da sua equipa principal, graças à sua forma de estar, treinar e à sua atitude e sapiência para pensar o jogo.

Ninguém tem dúvidas também, que ontem fizemos um grande jogo no Bernabéu graças à forma como organizou, estruturou e motivou a equipa.

Mas ninguém tenha dúvidas que falhou clara e estupidamente quando resolveu avançar com incompreensíveis substituições, no timing errado e sem sentido absolutamente nenhum. E custa-me (e a todos os sportinguistas em geral), ver um trabalho notável ir “por água abaixo”, sobretudo quando não esperamos deslizes do nosso, quase sempre, espetacular mestre da tática.

Numa explicação muito básica: quando a uma equipa equilibrada e ainda com capacidade de “pôr em sentido” a defesa adversária, são retirados - com tanto tempo de jogo ainda pela frente - o principal elemento desequilibrador e o elemento mais consistente, obviamente, a seguir, só podia correr mal. E correu. Gelson estava a “partir a loiça toda” e a “prender ” o lateral esquerdo e os médios defensivos (e ofensivos) do Real e Adrien estava a ser o pilar do meio campo e de toda a teia defensiva - e ainda era quem conseguia fazer com mais discernimento a transição para o ataque.

A partir deste momento - e não querendo dar enfase que mais valem (claramente e à data) um Gelson e um Adrien quase mortos do que um Markovic e um Elias bem vivos - foi ver o Real Madrid reequilibrar-se, sair do estado meio aturdido em que estava (surpreendido pela atitude e competência do Sporting) e ter o mérito de acreditar que era possível dar a volta ao resultado… nem que fosse “à lei da bomba”.

Evidentemente quem vos escreve só vê o lado de fora do jogo e fá-lo depois dos acontecimentos, o que é bastante mais fácil. E sabe infinitamente menos de futebol acordado do que o génio a dormir. Mas quem viu o jogo comigo, sabe o que me ia na alma com aquelas bestiais (de besta, mesmo) substituições e a evidência que ambas traziam à equipa e ao previsível desfecho.

Digamos que as probabilidades de ganhar o jogo em Madrid eram francamente reduzidas, para não dizer nulas. Talvez por isso, praticamente 24 horas depois e independentemente do imenso orgulho em toda a equipa, ainda me custe (muito) digerir as desnecessárias substituições a meio da 2ª parte e a iníqua derrota - quando a glória de vencer o campeão europeu esteve a míseros minutos de distância.

Enfim, quando a besta se apodera do génio (geralmente, pelo histórico, típico nas competições internacionais), está tudo (pardon my french) fodido. Talvez seja por isso que o nosso estimado mister nunca tenha saído de Portugal para treinar no estrangeiro. Pelos vistos a mudança de ares, às vezes, tende a fazer-lhe mal…

Saudações Leoninas.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Mais sobre mim

foto do autor




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930